Fonte: http://www.abahe.org

 

Ataxia Brasil Científico - CIENTISTAS PORTUGUESES DIZEM SER POSSÍVEL REVERTER SINTOMAS DA DOENÇA DE MACHADO-JOSEPH

09-10-2008

A nova abordagem que a equipa propõe poderá converter-se no primeiro tratamento desta doença, que tem forte incidência na ilha açoriana das Flores, permitindo maior eficácia, ausência de efeitos secundários e a identificação das regiões a tratar.

Num estudo publicado na edição de quarta-feira da revista científica norte-americana PLoS One, estes investigadores descrevem como conseguiram silenciar num modelo animal cópias mutadas de um gene, preservando a expressão do gene normal.

A técnica, segundo explicou à agência Lusa um dos autores, Luís Pereira de Almeida, do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, poderá ter também implicações noutras doenças neurodegenerativas dominantes, como a doença de Alzheimer ou de Parkinson.

Eliminar proteínas mutadas

O trabalho partiu da descoberta de um mecanismo chamado "interferência de RNA" - que valeu a Craig Mello e Andrew Fire o prémio Nobel da Medicina de 2006 - e através do qual é possível eliminar proteínas mutadas envolvidas em diversas doenças, como a DMJ.

Trata-se de uma doença com início na idade adulta que provoca perda progressiva das capacidades, sobretudo no que respeita à coordenação motora, e a morte gradual de conjuntos específicos de neurónios.

"Nesta doença há uma mutação de um gene que codifica uma proteína, a ataxina-3, e que consiste na repetição excessiva do trinucleótido
CAG numa região específica do gene"
, explicou o cientista.

"O
CAG codifica para um aminoácido, a glutamina, e quando há mais de 55 repetições do trinucleótido no gene da ataxina-3 isso leva ao aparecimento da doença de Machado-Joseph"
, referiu.

Para Luís Pereira de Almeida, 41 anos, docente na Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, o objectivo seguinte da sua equipa é "testar o sistema desenvolvido num modelo transgénico da DMJ em que a expressão da proteína mutante está presente na maior parte das células e regiões do sistema nervoso".

O investigador afirma esperar que este estudo permita validar a estratégia desenvolvida e desperte o interesse da indústria farmacêutica a trabalhar nesta área, para levar a terapia até à fase de ensaio clínico.

"Doença Açoriana" ou "Doença do Tropeção"


A DMJ, que se caracteriza por descoordenação motora e presença de inclusões da proteína mutante em diversas regiões do sistema nervoso central, foi identificada como entidade clínica independente em 1977 pelos neurologistas Paula Coutinho e Corino de Andrade e tem sido objecto de estudo por vários investigadores portugueses.

A doença começou por ser estudada em famílias açorianas e de Portugal continental, mas foi depois encontrada noutras partes do mundo.

Após a identificação do gene causador surgiram registos da doença em diversas localizações geográficas, o que levou ao abandono da sua designação inicial de "Doença Açoriana", também conhecida no arquipélago por "Doença do Tropeção".

Passou então a chamar-se doença de Machado-Joseph, os dois apelidos dos primeiros casos diagnosticados nos anos 70 em duas famílias de ascendência açoriana.

A ilha das Flores, nos Açores, é o local de maior incidência da doença em todo o mundo (uma em cada 140 pessoas), sendo também muito elevada entre os emigrantes de origem açoriana na Nova Inglaterra (nordeste dos Estados Unidos).

A equipa de Luís Pereira de Almeida incluiu investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular e da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, e do Institute of Molecular Imaging and Molelular Imaging Research Center em Orsay (França).



FONTE: http://sic.aeiou.pt/online/noticias/vida/Cientistas+portugueses+dizem+ser+possivel+reverter+sintomas+da+doenca+de+Machado-Joseph.htm

O legado de Marie Schlau: literatura e solidaridade

Uma história cheia de intriga, emoções e reviravoltas inesperadas, com a ataxia de Friedreich como pano de fundo. Com todos os ingredientes para o sucesso, agora você só tem que lê-lo!
Todos os fundos obtidos com a venda do livro serão utilizados para a investigação médica para encontrar uma cura para a ataxia de Friedreich, uma doença neurodegenerativa grave e debilitante que afeta principalmente crianças e jovens, que ficam confinados a uma cadeira de rodas. Esta doença reduz a expectativa de vida até perto de 40 anos.

Por esta razão e porque atualmente não há cura, por favor nos ajude derrotar a ataxia de Friedreich, lendo uma história que não o deixará indiferente.
Você pode comprar o livro na Amazon, em Inglês ou Espanhol:
Versão impresa Kindle (Inglês): https://www.amazon.com/Legacy-Marie-Schlau-collective-Friedreichs-ebook/dp/B01N28AFWZ
Versão impresa (em espanhol): https://www.amazon.es/Legado-Marie-Schlau-colectiva-Friedreich/dp/1523287411
Versão e-book (Kindle) (Espanhol): https://www.amazon.es/Legado-Marie-Schlau-colectiva-Friedreich-ebook/dp/B01NAZ8UVS

Go to top